Mastim tibetano 12

O Mastim Tibetano é uma raça de cachorro primitiva desenvolvida há séculos no Tibete.

Ele é um cão de porte gigante com uma pelagem pesada e uma cauda espessa que se curva sobre as costas, tem uma presença calma e majestosa.

Os Mastins eram usados ​​como cães de guarda para o gado e para as propriedades e seus séculos de trabalho estreito com os humanos o tornaram também um ótimo companheiro.

Ele é um cão amoroso, gentil, paciente e compreensivo que ama sua família.

Entretanto, por mais atraente que pareça, é essencial pesar cuidadosamente as outras características que podem torná-lo uma proposta desafiadora.

Essa é uma raça de mente independente que pode ser teimosa e, por isso, não é a raça certa para todos.

Ele vai precisar de um tutor experiente que lhe ofereça um treinamento firme e consistente com atividade moderada para que ele possa ser o cão gentil e paciente que deveria ser.

Por isso, continue lendo para ver essa e outras características do Mastim Tibetano neste guia completo que a Cachorros Incríveis preparou para você.

Perfil da Raça Mastim Tibetano

Grupo: Cães de Trabalho

Tamanho: Porte Gigante

Peso: Os machos podem pesar de 45 a 73 quilos, já a fêmeas, de 34 a 54 quilos.

Altura: Os machos podem ter de 66 a 76 centímetros, já as fêmeas, de 61 a 71 centímetros de altura.

Expectativa de vida: de 12 a 15 anos.

Origem: Tibete

Pelagem: média, lisa e densa

Cores: preto, preto e dourado, marrom, marrom e bronze, acinzentado, vermelho

Destaques da Raça Mastim Tibetano

Mastim Tibetano é Uma Raça Gigante

Apesar de parecer óbvio, destacamos essa característica, pois o seu urso de pelúcia pequeno e fofo vai crescer e se tornar um cão de mais de 60 kg!

Por isso, o Mastim é inadequado para a vida em apartamentos e precisará de espaço suficiente para se expressar.

Além disso, o custo alimentar desse cão costuma ser bem alto.

Mastins Tibetanos Não São Indicados Para Tutores de Primeira Viagem

O Mastim Tibetano não é recomendado para um proprietário tímido ou de primeira viagem.

Essa raça precisa de um treinador confiante que seja consistente e firme, mas também amoroso.  

Se você quer um cão gentil e paciente, esteja preparado para fazer um grande esforço na educação, treinamento e socialização assim que você o levar para casa.

O Mastim Tibetano Precisa de Socialização

Por ser um cão com grande instinto protetor, os Mastins necessitam de socialização desde filhotes.

Sem isso, eles podem ser inapropriadamente agressivos com cães e pessoas que ele não conhece.

A socialização ajuda o cão a aprender a diferenciar ameaças, o que é essencial para uma raça de guardiões.

Além disso, a socialização da raça deve continuar por toda a sua vida.

História da Raça Mastim Tibetano

Como seu nome sugere, o Mastim Tibetano veio do Tibete, uma região montanhosa da China.

Achados em evidências de DNA nos dizem que os cães do tipo Mastim se originaram no Tibete há cerca de 5.000 anos.

No entanto, isso é o máximo que pode ser dito com certeza quando se trata das origens dessa raça muito antiga.

É impossível dizer exatamente quem eram os antepassados ​​da raça ou como eles chegaram ao Tibete.

Alguns especialistas sugerem que seus ancestrais possam ser o Cão das Montanhas dos Pirinéus e o Terra Nova, por exemplo.

Um fato interessante é que os cães que vemos hoje são muito parecidos com os cães vistos em tempos antigos e, por isso, os Mastins são considerados a raça antiga mais pura do planeta.

Em suas origens no Tibete, eles eram conhecidos por duas funções:

O Mastim “Do-Khyi” vivia em aldeias ou viajava com pastores nômades e seu trabalho era ser um cão de guarda.

Ele era frequentemente visto amarrado nas entradas dos templos, tendas e casas que guardava.

O Mastim “Tsang-Khyi” era o cão presenteado aos lamas e servia como guardião dos monges budistas tibetanos ou lamas que moravam lá.

Conta a história que Alexandre, o Grande era conhecido por ter vários Mastins Tibetanos que viajavam com ele em suas expedições pelo “novo mundo”, razão pela qual eles começaram a aparecer em outras regiões do planeta.

Outro notável que também possuía Mastins Tibetanos era Marco Polo, que os levou consigo em suas viagens.

Foi no início do século XIX que os exploradores encontraram esses cães durante suas expedições aos confins do Tibete.

Eles ainda não eram conhecidos como Mastins Tibetanos, mas como “cães grandes do Tibete”

Em 1847, o primeiro Mastim Tibetano foi levado para a Inglaterra e entregue à Rainha Vitória como um presente de Lord Hardinge, o vice-rei da Índia.

Alguns cães também foram enviados para este país e colocados em zoológicos como objetos de curiosidade.

Em 1873, o Kennel Club da Inglaterra inscreveu esses cães vindos do Tibete em seu livro de registros genealógicos como o Mastim Tibetano, deixando seu antigo título de “cão grande do Tibete” para trás.

Em 1874, o Príncipe de Gales, que mais tarde se tornou o Rei Eduardo VII, importou mais dois Mastins Tibetanos para a Inglaterra.

Os Mastins Tibetanos continuaram a ser importados ocasionalmente para a Inglaterra e para o restante da Europa.

Entretanto, o primeiro clube da raça Mastim Tibetano foi formado apenas em 1931.

Durante a Segunda Guerra Mundial, a criação desses cães por toda Europa ficou muito prejudicada e só em 1976 os criadores ingleses começaram a importar os cães novamente.

A raça teve uma história semelhante nos Estados Unidos.

No final da década de 1950, dois Mastins Tibetanos foram entregues ao presidente dos Estados Unidos, mas os cães foram levados para uma fazenda e desapareceram da vista do público.

Somente em 1970, vários Mastins Tibetanos foram importados para os Estados Unidos e se tornaram os cães de base da linhagem norte-americana.

Hoje, esses cães impressionantes ainda são bastante raros.

No Tibete, é difícil encontrar um Mastim tibetano de raça pura, mas ocasionalmente pode ser encontrado viajando com caravanas, comerciantes e guardando gado e casas.

Personalidade da Raça Mastim Tibetano

Os Mastins Tibetanos são conhecidos por serem ferozmente leais, protetores, atenciosos, tranquilos e calmos.

Mas precisam ser tratados com firmeza e sempre de forma justa para que eles entendam o seu lugar na “matilha” e quem é o cão alfa em uma casa.

Esses cães nunca são mais felizes do que quando recebem toda a direção e orientação que precisam de seu líder.

Se um Mastim Tibetano não obtiver o tipo certo de orientação e liderança, ele começará a mostrar um lado mais dominante de sua natureza, o que muitas vezes faz com que se torne indisciplinado e teimoso.

E, por isso, não é a melhor escolha para os tutores de primeira viagem.

Eles respondem muito bem ao adestramento com reforço positivo e não gostam correções severas.

Para cães tão grandes, eles são muito capazes de demonstrar afeto e gentileza ​​quando tratados com o respeito que merecem.

Eles gostam de fazer parte de uma família e de se envolverem em tudo o que acontece em casa.

São conhecidos por formar laços muito fortes com seus tutores.

Essa raça precisa ser bem socializada desde filhote e depois adestrado por uma pessoa experiente para que seja um cão realmente completo.

Saúde do Mastim Tibetano: Veja os Pontos Críticos

A raça Mastim Tibetano tem uma expectativa de vida de 12 a 15 anos. São geralmente saudáveis, mas, como todas as raças, estão propensas a certos problemas de saúde.

Nem todos os Mastins vão adquirir estas doenças, mas é importante estar ciente delas se você estiver pensando em ter um cachorrinho dessa raça

Displasia de quadril

Ocorre desenvolvimento anormal e/ou degeneração da articulação coxofemoral (quadril).

Displasia de Cotovelo

É uma má-formação da articulação do cotovelo, onde as taxas de crescimento dos três ossos que a compõem causam frouxidão na articulação.

Trata-se de um problema muito comum em raças de cachorros de grande porte.

Torção-Dilatação Gástrica

Também chamada de vólvulo gástrico, essa doença é grave e causada pela torção total ou parcial do estômago dentro do abdome.

Afeta principalmente cachorros de porte grande, como o Mastim Tibetano.

Sabe-se que um dos fatores para o desenvolvimento dessa doença é a alimentação única, de forma voraz, seguida de exercício.

Essa condição é uma emergência veterinária e necessita de atendimento imediato.

Os cachorros afetados vão apresentar muita dor, pressão sanguínea diminuída, febre e abdome distendido.

Panosteíte

É uma doença indescritível que, às vezes, é vista em filhotes.

Seu principal sinal é a falta de firmeza súbita e os filhotes costumam superá-lo aos dois anos de idade.

A claudicação pode ser leve ou severa.

Muitos veterinários não estão cientes desse problema no Mastim Tibetano e pode diagnosticá-lo erroneamente como displasia do cotovelo, displasia da anca, luxação da patela ou distúrbios ainda mais graves.

Se diagnosticada incorretamente, o veterinário pode querer fazer uma cirurgia no seu cão que não é necessária.

Se ocorrerem sinais, peça uma segunda opinião de um especialista em ortopedia antes de permitir que a cirurgia seja realizada.

Osteocondrose Dissecante (OCD):

Essa doença é causada pelo crescimento impróprio da cartilagem nas articulações, geralmente ocorre nos cotovelos, mas também pode acometer os ombros.

Promove endurecimento doloroso da articulação até o ponto em que o cachorro não consegue mais movimentá-la.

Hipotiroidismo

É causado por uma deficiência de hormônio da tireoide.

Os sinais incluem infertilidade, obesidade, aborrecimento mental e falta de energia.

O pelo do cão pode tornar-se grosseiro e quebradiço e começar a cair, enquanto a pele fica dura e escura.

O tratamento para hipotireoidismo inclui a reposição do hormônio.

Geralmente, a medicação deve continuar durante toda a vida do cachorro.

Alergias

São reações excessivas do sistema imunológico a um alérgeno, que é qualquer substância que seja capaz de induzir uma reação nesse animal em particular.

O tratamento para alergias deve ser direcionado a eliminar o alérgeno da convivência do cachorro.

Pelagem do Mastim Tibetano

Se você já viu um Mastim Tibetano, uma vez que você tenha notado o tamanho deles, provavelmente a pelagem grande e maciça com uma juba de leão foi o que você observou em seguida.

Essa pelagem reflete a importância dessa raça de ter muito isolamento para mantê-los aquecidos nos altos picos dos Himalaias, que geralmente são cobertos de neve e não são os ambientes mais amigáveis.

Seu isolamento natural vem de um camada dupla de pelos, que consiste em um subpelo pesado e lanoso protegido por um revestimento externo grosso.

Os pelos no rosto dos Mastins são mais curto do que no resto do corpo.

Já os pelos no pescoço e nos ombros são mais longos e grossos, formando uma juba.

A cauda e a parte superior das patas traseiras também são muito bem emplumadas.

Cores do Mastim Tibetano

As cores aceitáveis ​​incluem:

  • Preto
  • Preto e Dourado
  • Marrom
  • Marrom e Bronze
  • Acinzentado
  • Vermelho

Cuidados e Higiene Com o Mastim Tibetano

Pode ser uma surpresa que uma higiene esporádica seja o suficiente para manter o pelo do Mastim tibetano limpo e sem nós.

Eles possuem queda de pelos leve, que aumentará na época de troca de pelagem.

Além disso, os Mastins Tibetanos são conhecidos por ter um comportamento muito parecido com felinos quando se trata de higiene pessoal.

No entanto, na temporada de queda de pelos, que ocorre uma vez ao ano, normalmente antes do horário de verão, eles “explodem” ou eliminam completamente seu subpelo.

Você precisará estar preparado para uma grande quantidade de queda de pelos.

E pode ajudar na remoção, escovando e retirando a pelagem morta diariamente durante essa temporada.

Os Mastins também precisam receber exercícios diários regulares para garantir que estejam em forma e saudáveis.

Além disso, os cães precisam receber alimentos de boa qualidade que atendam a todas as suas necessidades nutricionais durante toda a vida.

Convívio do Mastim Tibetano Com Crianças e Outros Pets

Como já dissemos, essa raça pode ser muito gentil e demonstrar grande carinho por seus tutores, mas não são necessariamente adequados para famílias com crianças, especialmente se forem pequenas.

Sob certas condições, os Mastins Tibetanos são tolerantes com as crianças em suas próprias famílias, especialmente se criados com eles.

Eles também podem ser cautelosos com estranhos, embora raramente apresentem qualquer tipo de comportamento agressivo em relação a pessoas que não conhecem, a menos que se sintam ameaçados.

Se você é uma pessoa social com muitas pessoas indo e vindo em sua casa, essa raça pode ser um problema para você.

Você vai precisar pegar firme na socialização, que é essencial para essa raça.

Deixe-o conhecer novas pessoas, mas entenda se ele for cauteloso com pessoas específicas.

Os criadores da raça dizem que esses cães têm um forte instinto em relação às pessoas, e, se eles não superam sua antipatia inicial por uma pessoa em particular, geralmente há uma razão.

Alimentação do Mastim Tibetano

Uma dieta bem equilibrada é vital para manter seu Mastim Tibetano saudável e feliz.

Para uma boa nutrição, garanta que a sua dieta contenha equilíbrio de todos os nutrientes essenciais.

Uma suplementação com vitaminas e minerais pode ser feita se necessário. Para isso, fale com seu veterinário.

Conhecer alguns fatores básicos de dieta e nutrição vai ajudar você a determinar que tipo de dieta é melhor para seu Mastim Tibetano

Como ocorre com todos os seres vivos, existem cinco elementos básicos que são necessários para a saúde ideal do seu Mastim Tibetano.

São eles: vitaminas, minerais, proteínas, gorduras e carboidratos (com restrição).

Outro elemento muito importante é a água, que é essencial para o organismo do seu Mastim Tibetano.

A quantidade de cada elemento pode variar de acordo com a idade, nível de atividade, condições de saúde e/ou doença.

Todos esses nutrientes combinados se somam em suas calorias para montar uma dieta ideal.

Para calcular a quantidade de calorias que seu cachorro deve comer acesse esta calculadora de calorias própria para cachorros aqui.

Aconselhamos, no entanto, que o ideal é que você consulte um médico veterinário.
Ao escolher entre as opções de rações comerciais seca ou úmida (ou ambas) ou a alimentação natural para cachorros, certifique-se de estar oferecendo a melhor nutrição.

Mantenha seu Mastim Tibetano em boa forma, sempre colocando a quantidade correta de alimento e dividindo em 2 ou 3 refeições ao dia.

Preço de um Filhote de Mastim Tibetano

Essa é uma dúvida frequente para muitas pessoas que estão em busca do seu filhote perfeito.

O preço de um filhote de Mastim Tibetano pode variar absurdamente de um criador para outro.

Algumas variáveis que compõem o preço de um filhote, seja ele Mastim Tibetano ou de outra raça, são:

  • Os custos que o criador tem para adquirir e para manter as matrizes;
  • Os custos de todos os cuidados dispensados para produzir uma ninhada;
  • Os custos com veterinários e outros profissionais envolvidos.

Ou seja, quanto maior o nível de profissionalismo e cuidado com todos os animais envolvidos, maior é o preço de um filhote.

Em contrapartida, infelizmente, existem criadores que mantêm seus cães em situações de vida insalubres e, por isso, têm um preço mais baixo.

Fuja deles!

Essas questões não são a regra e, por isso, é totalmente indicado que você pesquise a fundo como são as condições de criação e a reputação desse criador de cães.

Faça várias visitas ao canil, de preferência sem hora marcada, para se certificar de que está fazendo uma escolha certa.

Em nossa pesquisa, encontramos preços de Mastim Tibetano entre R$3.000,00 a R$8.000,00.

Conclusão

Agora que você já sabe tudo sobre seu Mastim Tibetano, queremos saber como é seu convívio e de sua família com essa raça incrível.

Compartilhe conosco suas experiências com seu Mastim Tibetano deixando um comentário.

Além disso, também criamos uma hashtag perfeita para você e seu Mastim Tibetano.

Publique no seu Instagram uma foto do seu Mastim Tibetano com a seguinte hashtag #mastinstibetanosincriveis.

Você poderá ter uma foto do seu Mastim Tibetano aqui neste artigo!

Nos ajude também a compartilhar essas informações e ajudar centenas de milhares de pessoas com seus Mastim Tibetano.

Compartilhe com seus amigos e em suas redes sociais.

Um AUbraço! E até o próximo artigo!